Os 5 principais arrependimentos de quem está no leito de morte.


Já fui criticado por isso, mas eu gosto muito de lembrar que a vida não dura pra sempre. Não que eu seja pessimista e viva esperando a morte às portas, mas gosto da ideia de que não temos todo o tempo do mundo, como dizia Renato Russo. Aliás, ter consciência da brevidade da vida não é pessimismo. Pelo contrário. Quando lembramos que a vida um dia irá se acabar, temos mais vontade de vivê-la com mais intensidade.

E pegando carona nessa ideia achei uma coisa muito bacana num blog americano esses dias: uma enfermeira especializada em cuidados paliativos de pacientes à beira da morte, que são enviados para "morrer em casa", revela algumas das experiências que já viveu ao lado de pessoas assim, e fez uma lista incrível: os 5 principais arrependimentos dessas pessoas, que estão à beira da morte. 

É impressionante:

1) Gostaria de ter tido a coragem de ter tido uma vida mais fiel a mim mesmo, e não a vida que os outros queriam que eu tivesse.
Esse foi o arrependimento mais comum de todos. Quando as pessoas se dão conta de que sua vida está quase no fim e olham para trás, percebem como muitos sonhos não foram realizados. A maioria das pessoas não tinha honrado nem mesmo uma metade de seus sonhos e morreram sabendo que era devido às escolhas que fizeram, ou não fizeram. É muito importante tentar realizar pelo menos alguns de seus sonhos ao longo da vida. A partir do momento que você perde a sua saúde, é tarde demais. A saúde traz uma liberdade que poucos percebem ter, até o momento em que a perdem.

2) Queria não ter trabalhado tanto 
Isto veio de todos os pacientes do sexo masculino que cuidei. Eles perderam a juventude de seus filhos e o companheirismo do cônjuge. As mulheres também falam sobre esse arrependimento. Mas, como a maioria era de uma geração mais velha, poucas mulheres tinham sido chefes de família. Todos os homens de quem eu cuidei lamentaram profundamente gastar tanto tempo de suas vidas na esteira de uma existência de trabalho. Ao simplificar o seu estilo de vida e fazer escolhas conscientes ao longo do caminho, é possível não precisar da renda da qual você corre tanto atrás. E criando mais espaço em sua vida, você se torna mais feliz e mais aberto a novas oportunidades.

3) Gostaria de ter tido coragem para expressar meus sentimentos
Muitas pessoas suprimiram seus sentimentos a fim de manter a paz com os outros. Como resultado, tiveram uma vida medíocre e nunca se tornaram quem realmente eram capazes de tornar-se. Muitas doenças relativas à amargura e ressentimento que carregavam são resultado disso. Nós não podemos controlar as reações dos outros. No entanto, embora as pessoas possam inicialmente reagir à honestidade dos seus sentimentos, no final a relação acaba caminhando para um nível totalmente novo e saudável. Ou então elas liberam o lado doentio de sua vida. De qualquer maneira, você ganha.

4) Gostaria de ter mantido contato com meus amigos
Geralmente as pessoas não percebem os benefícios de manter amizades até que se encontram no leito da morte e não conseguem sequer localizá-los para avisar. Muitos se envolveram tanto em suas próprias vidas que deixaram amizades de ouro se acabarem. Haviam arrependimentos profundos por não terem dedicaado o tempo necessário à grandes amigos.

É comum para qualquer um, no estilo de vida corrido que tem, deixar amizades se escaparem. Mas quando você se depara com a morte em sua porta, as coisas materiais perdem importância. AS pessoas até querem ter suas finanças em ordem, se possível, mas não é o dinheiro ou o status a real importância para essas pessoas. Eles querem ajudar mais aqueles a quem amam, mas sempre estão muito doentes para fazerem isso. E é o que sobra no final da vida: amor e relacionamentos.

5) Gostaria de ter-me feito mais feliz
Essa é uma coisa comum, mas surpreendente. Muitos levam a vida inteira para perceberem que a felicidade é uma escolha. Eles haviam ficado presos em seus velhos hábitos. A chamada "zona de conforto" os paralisou, fisica e emocionalmente. O medo da mudança os faziam fingir, para si mesmo e para os outros, que suas vidas eram completas, quando la no fundo tinham vontade de rir despretensiosamente e de fazer tolices. Quando você está no leito de morte, o que os outros pensam de você não tem mais significado nenhum. Ah, como é bom ser capaz de sorrir de novo antes do fim da vida. A vida é uma escolha. É a sua vida. Escolha conscientemente, com sabedoria, com honestidade. Escolha a felicidade.