O Último Imperador


Sim, eu realmente sou muito estranho! Enquanto boa parte das pessoas está comemorando o Dia dos Namorados com passeios, cinema, jantar, flores e sexo, eu estou em casa assistindo filme chinês :O

Mas não é qualquer filme. Assisti O Último Imperador, que retrata uma parte importante da história da China: o fim do Império Chinês e a Revolução Comunista. [ESTE PARÁGRAFO CONTEM SPOILERS] Pu Yi recebeu o império ainda criança, aos 3 anos, e cresceu no meio da rigidez típica do império Chinês. Mas, por crescer e viver e crescer trancado na Cidade proibida, Pu Yi não sabia que seu país estava entrando em conflito, em parte pela interferência do Japão, interessada em dominar os chineses, e em parte pela influência do comunismo russo, que ganhava cada vez mais adeptos. Só se dá conta disso quando vê seu império perder forças ao longo dos anos, com a criação da República Popular da China. Os comunistas invadem a Cidade Proibida e Pu Yi é obrigado a fugir do país. Longe da China vira um playboy cantor que sonhava em conhecer a Europa, mas seu desejo de poder o levou a voltar à sua região de origem, a Manchúria, que vinha sendo dominada pelos comunistas. Na Manchúria, o imperador acredita que poderá criar um novo país e se aliar ao Japão para ganhar força. Cria seu império com toda a pompa com que estava acostumado, mas não percebe que, ao invés de ser um país independente e aliado do Japão, está sendo apenas usado pelos japoneses que usavam a região para testar bombas e ganhar forças contra a China. Por fim, Pu Yi é entregue às tropas russas e passa 10 anos na cadeia sendo doutrinado pela ideologia comunista. Ao fim desse tempo, é libertado e leva uma vida sofrida como jardineiro, vivendo pelas ruas como uma pessoa comum, sem sequer ser lembrado como o Imperador que um dia havia sido.

O filme é um clássico do cinema mundial, e um dos mais premiados na história do Oscar. Foi um dos únicos a vencer em todas as categorias que concorria, além de fortalecer o nome de Bernardo Bertolucci como diretor. Foi também a primeira vez que o Governo Chinês deu permissão para que um filme de ficção fosse gravado na Cidade Proibida, que serviu de sede do Império por mais de 500 anos e agora foi declarada pela UNESCO como patrimônio da humanidade.

O Último Imperador é mais do que uma parte da história da China: é uma joia do cinema mundial, que mostra que o desejo pelo Poder e pela bajulação pode levar pessoas a cometer atos insanos, independente do resultado que elas tenham sobre as outras pessoas e sobre si mesmo. Pra mim uma das cenas mais marcantes do filme é a última, onde Pu Yi, já velho, compra um ingresso pra visitar a Cidade Proibida, e lá revê o Trono onde havia sido declarado imperador e onde se sentou por tantos anos. Ao ser repreendido por um garoto que usava um chapeu com a estrela vermelha do Comunismo, ele diz ao garoto que era o imperador, e sobe ao trono. Lá encontra o pote onde havia guardado a "cigarra real" que ganhou quando ainda era criança. Entrega ao pote ao menino e some de cena. O filme termina com uma visita de turistas à Cidade proibida, onde uma guia conta a história do palácio e diz que o último imperador foi Pu Yi, morto em 1937.

Vale a pena ver.

Maria Cheia de Graça



Sim, eu devo ser realmente muito estranho. Enquanto boa parte do Brasil estava vendo futebol na TV e outra parte está pensando no Dia dos Namorados, eu estava assistindo filme colombiano... rs

Mas o filme é realmente bom. Maria Cheia de Graça, filmado na Colômbia e nos EUA, conta a história de Maria Alvarez (Catalina Sandino Moreno), uma adolescente de um povoado de Bogotá, na Colômbia, que trabalha numa grande plantação de rosas. Alguns dias depois de descobrir que está grávida, discute no emprego e pede demissão. Sem emprego e cheia de sonhos de conhecer a cidade grande, acaba aceitando um emprego de "mula", transportadora de drogas. Recebe a missão de transportar para os EUA 63 papelotes de heroína no estômago.

O filme é simplesmente uma joia da produção latinoamericana. Mostra a realidade de várias jovens que moram em lugares pobres e sem muita perspectiva de vida e que, quando recebem uma oportunidade de mudar de vida, não pensam duas vezes, mesmo que isso envolva uma situação arriscadíssima. O filme é bem feito, com produção impecável, além de a protagonista ser ótima; Catalina Moreno leva o telespectador por várias vezes a se colocar no lugar da Maria e torcer para que tudo dê certo.

Eu vi hoje pela TV Cultura (que está com uma programação fantástica de filmes "cult", vale a pena ver). Quem tiver interesse de ver, vale a pena bater perna e procurar uma locadora que tenha o filme. Recomendo!

Bate papo com Jhenny Andrade

Ontem a noite, um pouco antes do jogo da Seleção, o UOL fez um bate-papo com a Jhenny Andrade, a colunista da seção Namorada Perfeita da Revista Vip. Pra quem ainda não a conhece, todo mês na revista ela dá dicas do que uma namorada "perfeita" deveria saber fazer. Nisso ela já aprendeu coisas como trocar pneu, fazer a barba, trocar chuveiro e outras coisas que, pra ela, seria bom que as mulheres soubessem fazer, sempre explorando sua beleza incontestável.

Eu, um fã incondicional do trabalho dessa loirinha linda, participei com uma singela e humilde pergunta... rs E olha só: a primeira pergunta que ela respondeu foi a minha!  O vídeo é meio longo - quase 1 hora - mas vale a pena porque tem umas dicas bem legais sobre relacionamento e etc, até para as meninas. Além disso olhar pra Jhenny por uma hora não é sacrifício nenhum! rs


Parabéns, Lara @lararossato



Dia 01 de junho foi aniversário da cantora Lara Rossato @lararossato. Por isso a Rad Gravato @radgravato  e eu fizemos uma pequena homenagem pra ela.


Rad Gravato
"Larissa Rossato. Ah, essa querida! Sou suspeita pra falar, mas aqui vou eu. Conheço a Lara desde 2008, quando ela tinha outra banda e tal. Achei incrível o som, a voz dela desde a primeira vez que ouvi na rádio e o melhor, sabendo que era daqui de pertinho, que dividia a mesma cidade que eu! Logo, fui baixando mais músicas até ter contato virtual com ela, sempre muito simpática e enfim, a conheci. Dia 15 de março de 2008, em um show na praia do Laranjal, aqui em Pelotas. Lembro a emoção quando ela me reconheceu e ainda tirei foto com ela e ganhei assinatura no meu All Star ! haha' Uma simpatia virtual e pessoalmente. Uma pessoa inteligente, cheia de talento, verdadeira, humilde, guerreira, dentre tantas outras qualidades que o tempo foi me mostrando. Admiração nascendo. Viciei nas músicas. A banda acabou. Fiquei profundamente chateada. Lara compensou, depois de um tempo - que pareceu longo demais pra quem esperou - ela voltou, melhor ainda (sim, ela conseguiu se superar) e daí em diante, foi a expectativa pra comprar o disco dela, o Doce, a ida aos shows. Comprovei meu "vício" quando vi minha irmã cantando as músicas dessa diva, de tanto que ouço! Enfim, graças ao talento e admiração conquistados pela cantora e compositora Lara, ganhei uma amiga. Sem sombra de dúvidas. Tanto já contei de minha vida pessoal, algumas coisas dela soube também, conselhos recebi, apelidos e risos trocamos. Nada mais justo e óbvio do que tentar retribuir isso tudo, ajudando a divulgá-la. Mas não, não vejo como "troca de favores". Faço merchan e defendo com unhas e dentes tudo que gosto, tenho um certo conhecimento e acho que merece ser valorizado, conhecido, admirado. Tanta coisa legal por aí, fico querendo dividir com o mundo todo! haha' Por isso, temos um Street Team no orkut, profile de divulgação da linda em questão. Retuíto, "curto", uso de subnick, tiro fotos, escuto no ônibus, mando trechos pros amigos. E o mais legal, de forma espontânea, vou ajudando a revelar a "madre"(um apelido nosso, longa história haha) pro mundo. Fico feliz em demasia a cada conquista dela, fico com raiva quando tem show e não posso ir. Mas acima de tudo, desejo. Desejo que tua estrela brilhe a cada dia mais, Lara, e desejo estar sempre por perto, pra poder comemorar contigo, te admirar, te contar meus problemas ou novidades, ouvir os teus e poder mostrar minhas fotos contigo por aí e me exibir muito, dizendo: sabe essa linda? Minha Amiga.hihi' Parabéns, madrecita, florzita, diva, absoluta. :D


Wesley Talaveira
"Assim como a Rad, eu também conheci o trabalho da Lara quando ela ainda participava de uma banda gaúcha, que não existe mais. Não me lembro exatamente como passei a conhecer, mas logo na primeira música gostei da voz firme e pensei: "quem é essa cantora com essa voz sensacional?" Busquei outras músicas e cada vez gostava mais do que ouvia. A banda deixou de existir e pensei que infelizmente um grande talento estava sendo deixado de lado, mas a promessa de um trabalho solo me fez imaginar que ainda tinha muita coisa por vir.

E veio mesmo: com o novo CD Doce ela se superou e voltou com músicas alegres e cheias de autoconfiança, num trabalho profissional que não deixa nada a desejar a nenhum outro grande nome - aliás, melhor que muita coisa que tocam nas radios por aí. A Lara é uma amante da música latina - que Mercedes Sosa diga amém de onde estiver rs - e essa latinidade a influencia. O resultado não poderia ser outro que não o que se vê nas músicas dela: músicas que marcam, que envolvem quem ouve.

Lara, apesar de já ter passado da data exata, te desejamos tudo de bom. Aliás, de melhor, o melhor que a vida possa lhe oferecer, tanto na vida pessoa como na sua carreira. Pegando emprestada outra fala da Rad, desejo que sua estrela brilhe sempre muito e muito. Tenho certeza que em breve seu trabalho vai estar em todos os cantos desse país, pois talento pra isso você tem de sobra. E olha: tô aguardando um show teu em SP, viu? haha

Grande abraço,

Rad e Wesley.

Férias na Siberia

Estou tirando umas "férias virtuais".

Não, não vou deixar de escrever nos blogs onde escrevo. Pelo contrário: tenho vivido momentos de inspiração pra escrever, o que é algo raro o.O Vou apenas me ausentar por uns dias de algumas redes sociais. Ah, e minha "ausência" nada tem a ver com qualquer vício em internet, como alguns poderiam pensar. Não sou um viciado em internet querendo se "desintoxicar". Sei os limites, o que devo e não devo fazer na net, a hora de parar e ir dormir e etc, mas sinto que preciso ficar um pouco longe do mundo virtual pra organizar um pouco as ideias. Usar menos o Twitter, pra ser poupado de ver certos comentários fúteis serem  tratados como "legal". Me importar menos se eu passar dias sem receber um scrap no Orkut, ou se pouca gente curte o que posto no Facebook.

Não sei com vocês, mas conforme passo muito tempo interagindo com pessoas on line, me sinto tentado a confundir esses dois mundos: real e virtual. Acabo dando ao virtual uma importância que ele não tem, e tirando do real a importância que ele tem. Entro no mundo on line achando que encontrarei as bases necessárias pra sobrevivência, mas descubro que isso é imposível so depois que procuro chão para pisar e não encontro. É, eu descobri que a linha que separa on e off é tênue. Não é nada fácil saber onde termina o virtual e começa o real. Vez por outra sou tentado a ultrapassar esses limites, e o resultado nunca é bom.

Por isso pretendo ficar um pouco por fora da vida on e viver um pouco mais da vida off. Tá, minha vida off não tem nada de interessante que me faça a preferir, muito pelo contrário, mas é necessário que eu lembre que há uma vida além da tela do note. Então decidi fazer arrumar minhas malas e passar um tempo na Siberia. Ter um tempo pra colocar o "tico e o teco" em ordem. Saber quem eu sou e o que eu realmente quero de mim e do meu futuro.

Se tenho amigos na internet? Sim, muitos, diria que até mais do que na vida real, e alguns deles são grandes amigos mesmo. Gente querida que me faz bem, mesmo sem eu sequer ter visto pessoalmente - alguns eu duvido até que existam, de fato. "E você vai ignorar esses amigos e sumir da internet?" Não, pelo contrário. É em nome da amizade e do respeito que tenho por eles que vou ficar ausente por um tempo. Primeiro pra saber se minha amizade é correspondida, bem no estilo "vou sumir pra ver se sentem minha falta". Até imagino o resultado, mas... Além disso, preciso ter dentro de mim uma definição clara do que cada um deles representa pra mim. Pra isso, só mesmo ficando longe por um tempo.

Não é a primeira vez que vou fazer isso. Já tive outras férias dessas, e os resultados sempre foram bons. Gosto de ficar "oficialmente ausente" quando sinto que minha cabeça começa a confundir os dois mundos. Então, aos pouquíssimos que vão ler isso e realmente se importar com minha ausência, digo: volto logo. Aos demais: qualquer hora a gente se encontra pelo Twitter.

Abraços,

Wesley